Os nossos amigos

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

(Bóia) Uma dupla antes da ventania anunciada

Boas,

O início das minhas férias não estão a ser como eu pensava... É que o WINDGURU não tem ajudado nada... Desde que o Guru foi despedido não se pode confiar no site...

Ao analisar os dias, reparo que existia uma pequena aberta de cerca de 3/4 horas, com menos vento e decidi ir fazer uma boiada...

Cheguei já um pouco tarde, pese embora a maré estivesse vazia e a pouca água na zona não convidava a nada de jeito, e ao chegar dou com as águas abertas e nada espumadas... Uma miséria... A minha ideia era apenas safar a grade, o que não parecia fácil...

Montei a cana, e comecei logo a pescar fundo, a sondar, para ver o que andava por lá... Os primeiros minutos foram penosos e nem um toque eu tive na zona onde mais peixe tiro, e a pouca oxigenação obrigou-me a trocar de canto... E fui pescar para o lado contrário... Ali tirei logo dois alcorrazes devolvidos... os gajos já comem caranguejo... rijo. Assim torna-se um desespero.

Olhava para o relógio e sem actividade e de maré ainda muito baixa só pensava em o que fazer... Cheguei a parar e ficar uns minutos a olhar para o nada... Ao menos o calor com a mistura do vento que já soprava regularmente sabia bem... Bebi um pouco de água e resolvi arriscar e pescar ainda mais fundo... Mais perto dos 5 metros... Era o tudo ou nada antes que o vento me obrigasse a parar... Bóia a correr certinha, trabalhei-a e fui trazendo-a até um buraco que costuma dar uns peixes, aguentei a escoa, esperei por uma pequena onda que espumasse aquilo, e no momento certo, uma bela arrancada, com cabeçadas vigorosas, e claro com a escoa a obrigar a cana ao esforço, reboquei o sargo até perto de mim e com calma levantei-o. Sem stresses. Fiquei satisfeito pois não dava para muito... com o mar daquela maneira...

Torno a meter um caranguejo e de seguida outro forte arranque, cana a trabalhar o peixe, muitas cabeçadas, não cometi erros, mas o gajo conseguiu desferrar... A ferragem com o caranguejo tem esta desvantagem, perde-se alguns peixes...

Já com um no saco, continuei a insistir no caranguejo e fui brindado com mais dois sargos palmeirudos, nada de especial...

A ventania foi aparecendo e mal me dava para virar para trás em direcção a Lisboa, a minha mala estava sempre a tombar, fiquei sem a tampa do Balde que voou, enfim...

Estava cheio de vontade de desarmar e me vir embora, mas ainda bem que aguentei mais uns minutos, pois acabei por experimentar umas camarinhas congeladas que tinha, e entre meia dúzia de alcorrazes devolvidos, uma ferragem muito forte, que me deixou a cana bem vergada e a bóia bem lá em baixo apanhei outro sargo , o maior, que me deu bastante pica e me fez terminar bem esta pescaria muito rápida( umas duas horitas) e difícil... O vento cada vez mais insuportável, mandou quase toda a gente embora e era ver o pessoal a desarmar canas e a rumar a casa... Eu ainda apanhei uma boleia de um conhecido e vim na conversa até ao carro... Foi bom... Deu para apanhar ar... Quando o vento baixar há mais...



Foi fraco, muito fraco, mas deu para apanhar ar...



Até à próxima então...

Material:
Cana: Cormoura Corstrong 6 mt.
Carreto: Shimano Twin Power FB 5000
Linhas: Sufix 832 ( 0,20 mm); Máxima 100% fluorocarbono; Seaguar Ace
Iscos: Caranguejo rijo; Camarinha

Filipepc

1 comentário:

Joao Santana disse...

Viva Filipe.
Já deu para apanhar ar:)
Eu já me moldei ao windguru, por vezes as previsões são certas 6 horas antes ou 6 horas depois, é sempre assim, eu como estou perto do mar todos os dias vejo as previsões e o mar e o desconto das 6 horas não falha:):)
Força ai, e em breve dás com eles como é normal:):)
Abraço.