Um espaço de partilha, criado por um grupo de amigos para a comunidade do mundo da pesca, onde o respeito pela natureza e legislação são um factor importante, e onde se procurará fomentar a paixão pela pesca desportiva.

quarta-feira, 23 de Julho de 2014

( Trolling ) Eu e o meu sogro em busca de troféus



        Boas Pessoal…



Sei que não tenho publicado nenhum relato de pesca das águas Angolanas. Mas a pesca não tem estado nada fácil…hahaha..algo que não estou habituado, mas faz parte da pesca, onde a natureza é que manda e não o pescador..:-)

Claro que se eu quisesse peixe mais pequeno era fácil, bastava mudar de pesca, mas assim que começa o cacimbo em Angola, só existe um pensamento…Pungos, Corvinas e os Pargos Lucianos..:-)..onde o Trolling se torna a pesca mais rentável durante o Inverno.

Mas é como tudo, às vezes por mais que tentemos, o peixe simplesmente não aparece..…não que façamos algo de errado, mas simplesmente as condições tais como, a temperatura da água, as bolas enorme de sardinha característica desta altura do ano demoram até aparecer, o que faz com que o peixe não encoste, como é normal nesta época.

Este relato de pesca tem um sabor muito especial, sendo a razão para tal, o meu sogro.:-) que veio passar uns dias mais a minha sogra. E como eu sei que ele adora pescar, nada como dar tudo por tudo, para que ele levasse com ele grandes momentos de pesca a estes grandes predadores.

Sei que muita gente se queixa dos seus sogros..hahaha..mas eu não sou um deles, pois tenho a sorte de ter uns sogros fabulosos, são pessoas fantásticas que quando chega o dia para os levar ao aeroporto, custa-me imenso de os ver partir e choro de saudades…e eu que não sou de chorar, mas a verdade é essa.

Sei que desta vez não consegui cumprir o sonho do meu sogro, que é tirar um pungo dos grandes, esteve perto, mas o pungo a meio metro do barco conseguiu ganhar a batalha. Mas isso fica lá mais para a frente do relato :-)

Posso dizer que durante estes dias em que cá tiveram, o meu sogro foi incansável. Sendo ele o mestre e eu o aprendiz. Ele conseguiu fazer a manutenção e reparação de todo o barco. Seja a parte eléctrica, cabos de motor, luzes, som, estofos novos…enfim..o barco parece novo. Para ele o meu maior agradecimento do fundo do meu coração, não só pelo que fez, mas pelo ser humano que é.

Restando a mim, fazer a minha parte, conseguir fazer com que ele apanhasse o seu Pungo..:-)
Durante este tempo todo, até ele chegar, a pesca tinha estado calma, mesmo com 3 barcos à procura deles, passando dias a fio, a tentar localizá-los, mas sempre sem sucesso, levando muitas das vezes ao desespero…hahaha. Principalmente para quem me conhece, sabe que eu estou sempre a pensar no que fazer e em todas as variantes possíveis e imagináveis para conseguir encontrar o que eu procuro. Pois acredito que a maior taxa de sucesso de um pescador, provém da nossa capacidade de pensar, alterar e adaptarmo-nos às situações, e não andar à toa à espera que eles nos encontrem por graça e espirito santo.

Pois bem, depois de 3 dias arranjar o barco, estava na altura de procurar o tal troféu..:-) Ainda por cima, a lua cheia que eu detesto, por diversas razões, já tinha ficado para trás.
Não tinha sido à toa que eu tinha escolhido os dias certos para arranjarmos o barco, o que se veio a verificar, pois quem lá andou nesses dias veio a zero.
Com o material a postos, fizemo-nos ao mar…

No 1º dia de pesca, disse logo ao meu sogro, Sr. Zé..coloque já o cinto de combate e a única coisa que tem que fazer é agarrar na cana que tiver o peixe e combater que eu trato do resto. Assim foi, depois de ficarmos até à noite ao Trolling, por causa da maré, acabámos por ferrar duas Corvinas pequenas com cerca de 6 quilos cada, que pouca ou nenhuma luta dão e como sabem o que são corvinas, nem foto tiveram. Mas que já serve para animar, nem que seja para ver escama..hahaha. Isto sem querer menosprezar um peixe de 6 quilos ok.

No 2º dia, voltamos a tirar outra corvina pequena e os pungos continuavam a não dar sinal, mas podia ser que de um momento para o outro eles encostassem para comer e nessa altura os ferrássemos..:-) O que não aconteceu, mas por outro lado, outro grande predador deu sinal, pois com a amostra da cor certa, a zona certa e as horas certas, se lá andarem, não falha..:-) E este não falhou…com um vergar da cana de jigging e o carreto a cantar directo, não era pedra, mas sim Pargo Luciano…hehehe..Com o nervosismo normal da pesca, principalmente de quem está quase a dormir, de repente ouvir um carreto a soltar linha desenfreada, quase que dá um ataque cardíaco..hahaha.o sobressalto é grande..hahaha.

Para dizer a verdade, como já tinha dito antes, esta pesca é uma seca…mesmo. Eu até digo que quem pesca é o barco…hahaha..claro que não é bem assim, mas eu sinto dessa forma, digamos que se eu não tiver a cana na mão e em controle da situação a pescar, não sinto que esteja a pescar. Neste caso quem tem as canas na mão é o barco..:-)

Pois bem, assim que eu salto do meu sono e olho para a cana, vi logo que era pargo..não tem como não ser….nisto eu tiro a cana do caneiro, aperto a embraiagem e passo a cana ao meu sogro que estava à frente da consola, já pronto para uma das batalhas mais interessantes, sim, porque apesar de ser um bom peixe, não era um daqueles grandes e brutos que o ia fazer suar a sério para tirar. Mas já era um bom peixe.

Claro que podem estar a pensar porque é que apertei o drag do carreto e não estava previamente afinado. Mas a razão é esta. O Embate inicial é muito bruto como devem calcular, seja Pungo ou Pargo. Mas a diferença tem a ver que enquanto o Pungo corre, o Pargo procura o primeiro buraco que encontrar para entocar, e depois de entocado…boa sorte, nem com um guingaste..hahaha. dai o carreto estar afinado para qualquer peixe bater e correr, sendo que se for pargo, a primeira coisa que se deve fazer é apertar com ele, para que vire a cabeça e saia da sua zona de conforto, sempre sem parar o barco, Claro que para isso é preciso conhecer o peixe e saber como bate e corre. Para não fazer asneira e ser Pungo e apertar com ele quando não à necessidade nenhuma, pois a defesa deles é forçar o material em corrida. A não ser que seja um para cima de 40 quilos e estejamos a ficar sem linha na bobine. Mas como é normal desta espécie, seja corvina ou pungo. Depois de correr estacionam no fundo para recuperar forças, o que nos permite recuperar linha e ficar à espera da próxima corrida.

Voltando à luta….já deu para animar e tenho a certeza que o meu sogro adorou, pois estes peixes ao contrário do pungos, têm mais energia o que permite uma luta desde que ferra até mesmo depois de estar no porão do barco..hahaha…dai é sempre melhor matá-los antes de os colocar dentro do barco, pois o ultimo que eu coloquei dentro do barco sem estar morto, deu uma cabeçada e amolgou a fibra do barco…hahaha..sorte a minha que não rachou…hahaha..Um belo pargo com 10 quilos


Estava feita a pesca e prontos para o dia seguinte…J

No 3º dia de pesca conseguimos tirar mais 2 corvinas pequenas sendo que o melhor e o pior aconteceu por volta das 15h00 quando a esperança já não era muita, acordo do meu sono mais o meu sogro ao som descontrolado do BG90..hahaha…Ai estava o Pungo do meu sogro….agarrei logo na cana e passei-lhe a mesma enquanto controlava o barco e as outras 2 canas. Ai estava o troféu dele…J E eu feliz por ver o meu sogro nervoso agarrado à cana e a combater…J


O desgraçado do peixe deu a volta e enrolou a linha da madre com a linha de outra cana, o que dificultou a coisa, mas não invalidou nada, mas a qualquer momento podia dar raia!!..eu ia sempre aliviando a outra cana e com tempo o Pungo finalmente começava a subir…mas como é normal, assim que se chegam perto do barco procuram a sombra do mesmo e voltam arrancar para o fundo assim que chegam perto da tona de água.

Depois de ter arrancado 2 vezes até ao fundo, estava mais calmo e vinha para cima sacudindo a cabeça…eu já estava com o bicheiro na mão à espera dele quando o vemos pela 1º vez..Lindo Pungo e logo dos grandes…assim que ele chega à tona de água, eu agarro no leader para o ferrar com o bicheiro e nesse momento sinto que vai arrancar outra vez, ao que automaticamente largo o leader e ele dispara em direcção ao fundo rebentando com o leader ao fim de levar uns 20 metros!!...Porra…e lá se foi com um piercing na boca e com o sonho do meu sogro. O leader de 120 libras à vida e depois de verificar o mesmo, com bastantes cortes até onde estava a amostra. É o que dá pescar em Pedra e não areia ou lodo como no nosso Tejo. Paciência, faz parte do jogo, um dia do peixe e outro será do meu sogro.

No 4º dia e último de pesca, já não se via sardinha nenhuma…e mesmo nos outros dias era muito pouca, ao contrário do ano passado. Saímos para o mar devia ser 9h30 da manhã e só por volta das 16h00 é que tivemos o primeiro toque…cana vergada e ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ…este é Pargo dizia eu para o meu sogro enquanto tirava a cana, apertava o drag e dava a cana a ele para combater…hehehe…e no mesmo sitio onde tínhamos tirado o outro..:-) Depois de cabeçadas para um lado e corridas para o outro lá veio ao de cimo de água….de seguida ferrei-o com o bicheiro, tirei-lhe a amostra da boca e matei-o para o colocar no porão…:-) Este era mais pequeno e pesou 8 quilos. Bem…vamos dar a volta e passar por aqui outra vez.


Dei a volta ao barco e assim que passámos novamente…outra porrada noutra cana, duas cabeçadas e ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZz continuo!!...ficou preso??...de seguida passei a cana ao meu sogro e recolhi as outras 2. Bem, pelos vistos estás preso, vou dar a volta com o barco e tentar puxar pelo outro lado.

Assim foi, dei a volta e quando ficámos do outro lado o meu sogro começou a puxar e lá cedeu…hehehe…está lá qualquer coisa às cabeçadas…puxe, dizia eu, e assim que chegou cá acima para nosso espanto, era um belo de um Mero já jeitoso…hehehehe…vai saber que nem ginjas..:-). Depois disso ainda demos mais umas voltas mas não tivemos mais nenhum toque.


Tinha chegado ao fim dos dias de pesca com o meu sogro, e apesar desta vez não ter realizado o seu sonho, tenho a certeza que se ele voltar cá no fim de Agosto, vai apanhar o seu troféu..:-)
Pelos vistos o peixe começa a querer encostar, ainda que pouco, mas é sempre melhor do que nenhum..hahaha. E tenho a certeza que o próximo relato que espero que seja em vídeo, vos consiga mostrar um pouco da força destes peixes e o prazer que é poder pescar estes bravos entre paisagens naturais que esta costa angolana tem.




Cá ficamos uma vez mais à espera dos meus sogros, cujas saudades já são muitas. Espero que ele tenha gostado destes dias de pesca, pois eu adorei e não vejo a hora de os ter de volta. Para os meus sogros fica o meu eterno agradecimento e um até já..:-)



                           Um grande abraço e até breve.....

                                       Luís Malabar

segunda-feira, 21 de Julho de 2014

( Surfcasting) Lindo peixe, alegrou a noite



Boas a todos.

Por esta altura o surfcasting pela nossa zona não é grande coisa. Mas aquele bichinho de ir fazer uns lançamentos, de estar na praia a olhar para o starligth e passar um bom bocado com um amigo fez-me combinar uma pescaria com o Luis Passeiro.
Ah e se a estes argumentos juntarmos que cada um de nós iria estrear uma cana a vontade ainda aumenta mais.

O Luis ia estrear a sua Barros Surf Team Energy. Fiz uns lançamentos com a cana e posso-vos dizer que é uma cana forte capaz de lançar sem problemas as chumbadas de 165gr que lhe pusemos e vê-se que é cana para lançar mais. É uma cana leve equipada com fuji e para uma tubular muito marcadora. Gostei bastante da cana e espero que lhe dê muitas alegrias.
Eu ia “estrear” uma Daiwa SkyCaster 33. Estrear entres aspas porque a cana é em segunda mão comprada nos nossos vizinhos espanhois. Depois de tentar comprá-la nova e estar esgotada, e depois de algumas tentativas minhas e do Filipe para contactar com alguem que a estivesse a vender em 2ª mão. Lá conseguiu o Filipe ter resposta e lá tratámos muito rapidamente da compra. Esta cana já não era novidade para mim porque nas jornadas de inverno andei a usar uma igual do Filipe.


Considero que não seja uma cana para todos os gostos, mas fiquei a adorar a cana desde a primeira vez que a lancei, desde o primeiro peixe que tirei com ela. A cana é muito forte, muito rija. Ainda ando em fase de adaptação à cana, já tiro bastante proveito dela no lançamento, mas sei que pode dar mais.
Depois de uma pequena ideia destas duas canas vamos lá à pesca.
Combinámos a pesca para um dia de semana, a ideia era como já disse, apenas passar um bom bocado e dar umas varejadas. Como vento era algum de Norte a nossa primeira ideia seria ir a Sesimbra, mas como é costume antes de ir para a pesca passo sempre por um sitio para rever outro grande amigo, o Filipe, e este lá nos convenceu a irmos até ao Meco.
E assim foi carregámos o meu carro e rumámos ao Meco. Material às costas e começamos a chegar à beira mar, e eu já começava a torcer o nariz para o Luis.
  Estás a sentir o cheiro? - perguntei-lhe eu
Era mesmo, chegámos à beira mar e demos meia volta, o mar estava carregadinho de limo os olhos não enganavam e o nariz também. Isto porque o limo tem um cheiro característico, que alguns de nós já conseguem identificar.
Voltámos então à primeira opção sem perder muito tempo e lá fomos para Sesimbra. Ambos sabemos que não é pesqueiro de muito peixe, mas a pesca não é só isso.
Já estávamos nós a montar o material e sem nunca nenhum de nós ter pescado ali começam os lançamentos. Canas na água e passado um bocado o Luis vai para rever os iscos, e pimba! Pimba não é peixe, mas sim chumbada presa na rocha. Primeira chumbada perdida.
Sabiamos que o pesqueiro tem algumas rochas isoladas mas quem não arrisca, não pesca... EHEHEH
Vai de fazer nova montagem o Luis lança novamente. Vai ver os iscos da outra cana e PIMBA! 2ª chumbada. Fazer nova montagem.
De seguida foi a minha vez. PIMBA!!! Bem isto não estava a correr nada bem, mas faz parte. E nós sabiamos.
Bem ali no espaço de uma hora o Luis perdeu no total 4 chumbadas e eu 1.


Resolvemos então mudar-nos um pouco para a direita e aí sim já conseguiamos pescar à vontade e sentarmo-nos na cadeira à conversa e comer umas sandocas.


Os iscos iam sendo ratados e de vez em quando lá viamos uns toques timidos nas nossas ponteiras.
Num destes toques na potenza lá foi o Luis e tirou o primeiro peixe da noite. Um samilro! Estava desgradado.
Lança novamente e logo de seguida tira outro peixe. Desta vez um sarguito pequeno que foi devoldido, sem antes levar com FLASH da praxe.


As horas iam passando e peixe que se veja nada, mas nós já sabiamos. Nem os pequenos toques que nos tinham entretido até ali existiam agora.
Mas a certa altura veio o momento que me alegrou bastante a noite. O Luis estava a recolher a linha da Potenza e vê a sua menina nova a dar um toque e chama-me logo. Fui a correr até à cana e comecei a recolher. Sentia peixe do lado de lá, nada de especial mas vinha dando umas marradas pelo caminho. E qual não é a surpresa quando vejo aos meus pés um LINDO salmonete. É um peixe mesmo bonito e muito saboroso no prato. O Luis veio ter comigo e perguntou-me que é isso. Eu disse-lhe um salmonete páh!!! Ele não conhecia mas disse-lhe logo leva é uma maravilha grelhado.



Estávamos ainda nas fotos ao Lindo peixe, quando vejo a SAT a levar uma pancada. Corro para ela e a mesma surpresa. Outro Lindo peixe. Outro salmonete. Fiquei todo contente e pensei para mim e disse ao Luis que podia ser um cardume para tentarmos com o mesmo isco a ver se havia mais. Mas não. Era apenas um cardume de dois. HEHEHEHEH
Já se fazia tarde e para o Luis o dia seguinte era de trabalho e lá fomos para casa.
Ainda dei o meu salmonete ao Luis, pois ele nunca tinha comido tal peixe e disse-lhe que aquilo era um verdadeiro manjar dos deuses.

Que raça será este bigodes???

Bela noite passada com um grande amigo.

Grande abraço a todos.
Até breve

Material:
Canas: Shimano Super Aero Techium BX-H; Daiwa SkyCaster 33; Vega Potenza Hibrid; Barros Surf Team Energy
Carretos: Shimano Bull's Eye; Shimano PowerAero SpinPower; Shimano Super Ultegra; Shimano PowerAero XT
Anzois: Hayabusa Fukase, Hayabusa Chinu

Linhas: Yuki Kenta, Team Cormoura, AwaShima Red Iso
Iscos: Casulo, Carangueijo e Tita

Guilherme Cruz, Luís Passeiro

domingo, 20 de Julho de 2014