Um espaço de partilha, criado por um grupo de amigos para a comunidade do mundo da pesca, onde o respeito pela natureza e legislação são um factor importante, e onde se procurará fomentar a paixão pela pesca desportiva.

sábado, 20 de dezembro de 2014

Pargo no Cabo Espichel

A malta do Seixal está em grande. Conhecidos por a sua capacidade de apanhar peixe sem medida a evolução chegou onde nunca foi imaginado...

TONY JAVALI... APANHOU ESTE BÉBÉ...




E o Almeno aos robalinhos...
AHAHAH...

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Jigging Power... Uma tonelada e meia de peixes...

Jigging Power



Após nove meses a testar intensivamente a cana Jigging Power da Vega, composta por carbono nanoflex de alta resistência, cheguei à conclusão de que, em termos de qualidade / preço, é uma excelente cana, que ainda hoje me dá muitas alegrias.
1138 Jigging Power
Para quem passa muitas horas ao jigging, posso dizer que é uma cana leve, que permite pescar durante horas a fio sem nos cansarmos. Tem uma acção entre 150 e 250 g e, após ter feito vários testes com jigs entre 100 e 300 g, constatei que a acção que vem impressa na cana é a perfeita. Ela tem uma acção de ponteira mas é progressiva em todo o seu comprimento. É sensível, mas ao mesmo tempo rápida a ferrar o peixe, e com uma reserva de força que nos deixa surpreendidos.
Em relação aos passadores, se tivermos sempre o cuidado de os passar por água doce depois da pesca, posso dizer que temos passadores para muitos anos, pois ao fim deste tempo continuam impecáveis, sem nenhum sinal de corrosão, seja no metal, do uso do multifilar ou nas colagens na cana. O tamanho dos passadores aplicados tornou a cana equilibrada, seja na saída de linha, independentemente da espessura que usemos, ou do carreto, seja no combate com o peixe. Os passadores nunca demonstraram o mínimo sinal de torção, mesmo com peixes de 50 kg.
Em relação ao porta-carretos, continua impecável ao fim deste tempo todo, e posso dizer que nos transmite segurança, independentemente do tamanho do carreto que escolhermos. Seja um 5000 ou até um 20000, a solidez continua a existir, dando-nos confiança na altura do combate, pois se tivermos um carreto muito caro, a ultima coisa que vamos querer é que o porta-carretos ceda e percamos o carreto e o peixe.
Não menos importante é o gimbal da cana: robusto, leve e adequado à maioria ou a quase todos os cintos de combate, típico desta pesca e extremamente necessário.
Para terminar, apenas quero dizer que estou muito satisfeito com a cana e, após nove meses de jigging intensivo em Angola, e com uma tonelada e meia de peixes tirados com ela, mais não podia pedir. Para quem procura uma cana de jigging, aconselho vivamente a experimentar a Jigging Power da Vega.







Ficha técnica

JIGGING POWER

Estrutura: 1 secção 
• Corpo: Carbono Nanoflex de alta resistência
 • Comprimento: 160 / 165 cm (em transporte: 165 / 169 cm)
 • Peso: 376 / 351 g 
• Acção: 200-300 g (PE 3-6) / 150-250 (PE 3-6)
 • Passadores: Fuji Alconite (5 / 6) 
• Pega: EVA 
• Porta-carretos: Tubular (a 41 / 42 cm do tacão) 
• Apresentação: Saco de pano acolchoado, preto, com tiras.



Luís Ramos

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Uma noite de muita luta - Pescaria do mês

Uma noite com amigos e de muita luta para sair uma pesca porreira... Foi o que se pode arranjar...





Para a próxima será melhor...