Os nossos amigos

quarta-feira, 18 de novembro de 2015

( SPINNING) Camaleões do plástico !!!

Boas.

Enquanto se espera pelo frio de rachar que tarda em chegar neste Outono com sabor a Verão vamos aproveitando estes dias maravilhosos e os lindos pôr de sol que vamos tendo.

Julgo que para quem vive intensamente a vida do mar, sabe bem o quanto este momento é maravilhoso. Para nós e para o peixe. E nesta altura ele tem um clic qualquer especial. Acho simplesmente maravilhoso. Só por isso já vale a pena ir...

 SIMPLESMENTE BRUTAL!!!

Mas vamos ao relato, de um final de tarde/noite que valeu muito a pena...

Um dos maiores "erros" que avisto em alguns pescadores é serem tão fixados no que conhecem e tão pouco afoitos a procurarem a sorte. Não existe forma de no mesmo sitio com a mesma modalidade conseguir sempre resultados. A menos que o resultado esperado seja apenas apanhar ar, como muitas é prioridade. Mas se for para se procurar peixe muitas vezes temos que ser autênticos camaleões.

Ou te adaptas a natureza ou se queres que ela se adapte a ti, vais ter muitas grades, e algumas delas em dias em que o peixe até anda por lá...

Olhando para a maré de amplitude alta e que prometia muita corrente decidimos ir procurar umas bailas e algum robalo... Levámos os jerks e um Plano B. E ainda bem...

Chegados ao spot, tal como prevíamos estava muito limo e tivemos que mudar de spot... Chegados ao spot B, já com o Pézinhos meio descrente e até eu... Olho para o mar... E disse-lhe logo... Vamos facturar... O mar está perfeito para as zagaias...

Estavam lá alguns conhecidos, quer ao fundo quer ao corrico, e procurámos logo ir para a zona quente que se via bem ao longe tal as correntes que se verificavam... Chegados lá... Os Jerks como se via não chegavam lá... E a malta do corrico estava a penar, alguns por usarem linhas muito grossas e que não os permitem chegar longe. Assim que trocamos dos jerks para as zagaias... O Miguel começou a ter uma actividade brutal... Era toques, ataques, ferragens, desferragens, era peixe a seguir a peixe... Já ele ia com 6 no saco e outros tanto desferrados e eu nem um toque...




Devem estar a perguntar porque eu não metia uma zagaia igual à dele? Bem, eu tinha e estava a usar... Mas a minha tinha a colher, tipo azoiana, e vejam lá que nem tocavam... Impressionante o que uma simples alteração produz. Para perceberem o porque de muitos dias não apanharem e o do lado apanhar. Zagaias iguais, lançadas para o mesmo buraco, ele era peixe seguido, eu nem um toque tive. Perguntei-lhe se ele tinha alguma sem a colher e ele tinha uma... Mas montada com apenas um anzol ( não gosto nada, acho que só mesmo em zona de muita pedra)... E toca de lançar... Recuperar devagar e assim que passou no HOTSPOT, pimba. Toque, ferragem, desferragens na zona de cruzamento de águas... De seguida igual... E depois o mesmo... Já bufava por todos os lados... De seguida ferro uma baila das grandes peixe acima de quilo,e trabalhei-a enquanto pude, numa força de água brutal... Já aos pés quando a vou a levantar, cai mesmo a minha frente... Estava capaz de entrar na água a nadar! E logo de seguida, mais ataques a mais desferragens, outra já com ele aos pés... Passei-me! Disse ao Miguel para aguentar que ia lá atrás trocar qualquer coisa... Agarrei na zagaia fui a um jerkbait, tirei uma fateixa e pimba. Era Fateixa e anzol, tudo ou nada... E lá voltei para perto do Miguel que já ia de saca bem composta... Assim que lancei... Taruz!!! E só dizia ao Miguel enquanto bufava por todos os lados:

- " Quero ver se agora desferram"... E lá veio a primeira...

E de seguida... Outra ferragem...

Entretanto o telefone dele tocou e foi atender... Com o anoitecer, ele perdeu o resto do tempo de pesca activo... Eu era só lançar e já estava... Que actividade brutal... Enquanto a noite não tomou totalmente conta do dia... Era sempre a malhar... Uma das bailas deu nos uma ajuda e disse-nos que cor tínhamos que escolher da amostra!!!



Com a maré a baixar também muito começamos a ter vontade e necessidade de avançar mais e como por aquele lado não dava andamos por caminhos a ver se conseguíamos ir lá... Mas o que arranjámos foi uma dor de pernas brutal, até cambras me deu e o Miguel como sempre muito despassarado deixou o tlm no bolso, sem o meter dentro do bolso do Vadeador e bye bye tlm...

Com o cansaço voltamos para trás e fomos ao mesmo spot onde a actividade tinha desaparecido e deu para irmos brincando mais um pouco... Testámos uns jerks novos, fizemos uns lançamentos e depois disse para ele...

- " Dá cá a tua cana.. Vou apanhar um peixe com ela..."

E como de jerk não estava a ir lá, vai de zagaia para ir mais longe... E estava eu a recuperar o mais devagar mais que dava quando levei uma boa porrada... Comecei a recolher e quando tentava subir o buracão que lá estava com a escoa em sentido inverso, fiquei parado com o carreto... Que força tão grande que aquele buraco produzia... Não fosse a fateixa e a baila estar tão bem ferrada... É que não conseguia dar a manivela. Nada... Foram segundos só a espera que levantasse de lá... E quando o consegui já não parei de recolher, com a noção que era uma baila das boas, daquelas de greladas no carvão, escaladas, são uma delícia. Gorda. Uma baila de quilo e tal... Bem linda.

Ainda fizemos mais uns lances, mas já era perto da meia noite e decidimos dar por finda a pescaria...

Lições... Que podem servir sempre qualquer um de vós... E claro a mim porque se aprende a cada lançamento seja de que modalidade for...

Quem pensa que o peixe tem que todos os dias comer da mesma forma e da forma que sabe engana-se... O peixe não come o ano todo a mesma coisa, o peixe não está sempre sempre no mesmo local a mesma hora ( mesmo havendo conceitos que se confirmam a que vamos chamando de ciclo )... Os locais não estão sempre iguais, os peixes percorrem percursos que se alteram quer pela natureza, quer pela mão do homem... Adivinhá-los ou digamos que senti-los pode ser a diferença entre trazer uns peixes ou nada trazer.

Felizmente, temos tido a capacidade de sermos camaleões... E assim vamos fazendo uns peixes e vamos curtindo esta noites amenas de Outono...

Ah... E outra lição que se deve aprender com o Miguel... Nunca, mas nunca confiar no que ele nos empresta... Seja roupa, comida, amostras, nunca estão como ele diz... lol, agora estou a ser mauzinho, mas perdi tanto peixe com a sua super zagaia montada a la "catch and release" Ai ai... Quem me manda não ter ido logo tratar de trocar o anzol assim que vi aquilo!!!

Fica a foto de alguns dos peixes... Um pôr do sol em cheio e um anoitecer de muita actividade com muitas capturas... As bailas estão gordas e nós só temos que dar com elas...







Material:
Canas: Shimano Stradic Spin, Hiro Magister Lure
Carretos: Daiwa Exceler, Shimano Stella SW
Amostras: Fiiish BM, Williason Gomame, Williamson Gomoku, Maria Mucho Lucir



FilipePC, Miguel

4 comentários:

Anónimo disse...

Grandes Bailas, isso foi onde? A maior parecer ter uns 2 kg. Parabéns.
João.

Os Pescas disse...

Parece que não conheces o pezinhos. .hahaha. Desconfia sempre do que ele te dá. .hahaha.
Parabéns amigos pela noitada de bailas..:-)

Aquele abraço grande amigos

Luís Malabar

Manuel Bonito disse...

Fabulástico,sempre a aprender

Manuel Bonito disse...

Fabulástico,sempre a aprender