Os nossos amigos

segunda-feira, 12 de maio de 2014

( Jigging ) Quem procura sempre encontra......:-)



Boas Pessoal.....


Estes últimos dias de pesca não têm sido nada fáceis, tenho perdido imenso tempo a localizar o peixe, e mesmo depois de localizá-los, além de serem cardumes pouco numerosos, tenho que perder tempo a descobrir como é que estão a comer....

Acho que não existe nada mais frustrante do que saber que o peixe está lá, mas que teima em não atacar..é de bradar aos céus...hahahaha

Mas a verdade é que existe sempre uma maneira, temos é que a descobrir, custe o que custar. E acreditem que custa jiggar com um jig de 250 ou de 300 gramas quando as marés são grande, sobre um fundo de 98 metros, umas 70 vezes e nada....nem um toque...hahahaha....o corpo sofre e não é pouco.

Claro que esquecemos tudo, quando finalmente ferramos um peixe...hahaha..Por incrível que pareça, até as dores do corpo desaparecem...:-) Até parece que começamos do zero, sem dores e com os níveis de esperança ao máximo...hehehe..:-)

Vou começar pelo primeiro dia, onde encontrei duas embarcações num dos pontos que tenho para os Piazeites.

Uma das embarcações era uma chata com cerca de 8 pescadores a bordo, todos eles a pescar com linha de mão e com sardinha como isco, como é habitual. E na outra embarcação, esta já de fibra e com cabine, estavam 5 ou 6 se não estou em erro, também eles a pescar ao fundo com linha de mão e por sinal fundeados.

Assim que cheguei, cumprimentei todos e perguntei se alguém tinha tirado alguma coisa, ao que responderam todos que não, mas que eles andavam ai...hummm.....andam ai e não tiram nenhum????

Decidi afastar-me deles um pouco e preparar o material, para quando desse com eles fosse só largar o jig.

Assim que tinha tudo pronto, estava na hora de sondar...:-) comecei à procura e só ao fim de 10 minutos é que dou com um cardume e à profundidade a que estavam, só podiam ser eles...:-) Mas continuava apreensivo, pois continuava achar estranho eles não virem à sardinha. Principalmente com tantos a pescarem com sardinha!!!


O cardume estava identificado, só faltava acertar a deriva...controlar o vento e a aguagem, para que passasse mesmo em cima deles...:-)

Até aqui parece fácil, mas o pior vem a seguir....quando passamos por cima deles e nem um toque temos!!!....principalmente quando o cardume é pequeno e só nos dá tempo para experimentar um movimento de jigging, para que possamos entender como é que eles querem o jig. Claro que não vale apena experimentar outros movimentos quando sentimos que saímos da zona deles, pois podemos estar a pescar com o movimento certo, mas como eles não estão lá, vamos pensar que ainda não é o movimento certo, o que é errado. Por isso é fundamental experimentar o que quer que seja na zona de ataque e nunca fora.

Agora imaginem, quantas passagens são necessárias às vezes até acertarmos com o que eles querem..hahaha...é melhor nem falar nisso...hahahaha.

Talvez uma das razões para eles não atacarem a iscas de sardinha, tinha a ver com o que escrevi acima, as iscas estavam no fundo ao contrário da comedía e dos Piazeites que se encontravam entre os 25 metros do fundo e os 67 metros. Além disso, existindo comedía na zona é sempre melhor que uma isca morta, na minha opinião.

Foi numa das derivas que finalmente acertei com a maneira certa...1 movimento longo e rápido e queda livre em pausa e Pimba....o 1º ferrado...ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZz..ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZz....nunca me canso da luta destes peixes...é magnifica...:-) Quero apenas salientar, que o factor mais importante no movimento de folha seca no jig, são os ataques sem tensão na linha, ao que é necessário o máximo de atenção possível e sentir. Claro que acontece algumas vezes não sentir o ataque na queda e só na subida, mas isso na maioria das vezes quer dizer que ele sugou o jig com o assist hook na queda, mas não arrancou, fazendo-o só quando efectuamos a subida rápida e ele se sente preso.


Com o 1º peixe a bordo, reparei que os restantes pescadores continuavam sem sentir nada...

Nova deriva e Pimba....mais um....ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ..ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZzz..ZZZZZZZZZz...nesta altura reparei que ambas as embarcações levantavam ferro...hum!!...2º peixe a bordo e quando olho, vejo os dois barcos a fundearem na linha das minhas derivas....OK...:-) Sem stress..:-)

Acredito que ambos pensaram que não estavam apanhar peixe, porque estavam no sitio errado....

Outro erro, pois como é normal, este tipo de peixe desloca-se em cardume, com as correntes tentando acompanhar a comida, logo ai, nunca está no mesmo sitio. Se assim fosse, escusava de fazer as derivas, fundeava o barco e pronto...:-)

Outra mais valia de fazer a deriva e não fundear, é que podemos explorar a área à medida que avançamos, e também perceber o avanço dos peixes com o decorrer da maré. Que foi o que acabou por acontecer, para mal dos outros dois barcos..:-)


O peixe começava a deslocar-se em direcção a norte, e ainda bem que o fez, pois permitiu-me voltar a fazer a deriva sem o inconveniente dos outros dois barcos, que uma vez mais voltavam a estar fora do peixe e ainda tiveram a oportunidade de me ver tirar mais 3 Piazeites, até que decidiram voltar a levantar ferro e rumar a outros pontos.

Eu já com 6 peixes, estava na altura de voltar. Pois se quisesse tirar mais, teria que rumar a norte onde os iria encontrar certamente, quando faltasse duas horas para a preia-mar. Mas como tinha que voltar, iria ter que ficar para o dia seguinte..:-)


No 2º dia de pesca, voltei ao mesmo sitio onde os tinha visto no dia anterior, mas o tempo passava e não dava com eles..HUmmmm????....Calma lá, se hoje cheguei à mesma hora e a maré é uma hora mais tarde, tem que estar um pouco mais a sul...vamos ver....decido fazer a deriva na mesma linha, mas a começar uns 150 metros atrás....Hum????....calma.....ao fim de andar ao sabor da corrente e do vento uns 30 metros, começa aparecer na sonda os primeiros sinais...:-) Comedía...hehehe...calma, e os primeiros aparecem, apesar de as marcas serem pequenas.

Jig para o fundo e fazendo os mesmos movimentos que no dia anterior ferro o 1º do dia...:-) era pequeno, mas começava bem...hehehe...o mais giro foi ver que afinal o meu primeiro era um Lirio...:-) Ambos peixes da mesma espécie mas de famílias diferentes.

Por momentos lembrei-me da terra da minha mãe, os Açores, onde passei grandes dias de pesca e de alegria. Terra de grandes Lirios entre outros peixes magníficos. Sem falar na junção do verde oxigenado com o azul do mar profundo.

Voltando à pesca...:-)

Desta vez não se via viva alma, nem uma chata ao longe.....só via mar até perder de vista....

2 deriva e mais um peixe, este também pequeno, o que não me agradou muito, pois havendo peixes maiores, não gosto de ferrar os mais pequenos. mas é como tudo na vida, queremos sempre mais...hahaha.

O mais giro é que parecia o dia dos Lirios, mais um. Até parecia irmão do outro...hahahaha.

Estava na altura de rumar a norte, pois o que aparecia na sonda, além de ser pequeno, eram cardumes que não valia apena o trabalho.


Assim que cheguei a norte, comecei a sondar e só ao fim de 1h andar à procura deles é que os encontrei. Por sinal um cardume largo e extenso ao longo de 20 metros, todos eles envoltos numa bola de comedía..:-) Bem melhor do que no dia anterior.

Jig para o fundo, sempre de olho na sonda e com a mão esquerda a sentir a saída da linha, pois já não era a primeira vez que comiam na descida..

Assim que chegou ao fundo comecei a trabalhar e a cerca de 25 metros tenho o primeiro toque na queda, mas não fui rápido e não ficou....continuo e 15 metros mais a cima outro ataque na queda, mas desta vez sinto-o e ferro-o...ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ...Bruto!!!!....ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ...3 clics ao drag e pára...cabeçadas fortes e começo a virar a cabeça dele para cima e ao fim de algum tempo o primeiro de jeito..:-)

Ainda fiz mais 2 derivas e tirei mais dois, sendo que um deles para o conseguir trazer para cima, tive que agarrar com a mão esquerda a bobine....que esforço que fiz para o puxar e assim que chegou à tona de água percebi o porquê de tanto esforço. Tinha o ferrado pelo lombo a meio, talvez tenha falhado o ataque??

Com 5 no porão estava na altura de voltar, pois apesar de o peixe continuar lá, o mar e o vento eram cada vez mais, e como eu prefiro a minha segurança ao peixe, fui-me embora...:-)


                           Um grande abraço e até breve

                                       Luís Malabar



12 comentários:

Manuel Oliveira disse...

Boas Luís,
É incrível, como tu num tão curto espaço de tempo, já sabes as manhas todas para dar com esses peixes!
E claro é de valorizar todo o trabalho, pois andar assim à deriva com essas amostras e fundura, o corpinho até chia... :)
Essa aguagem ainda te levou a ER, para bombordo 2 vezes... :)
Era bom que fosse para os pesqueiros e tivesse a certeza que o peixe andava lá, mas eu por aqui apenas vou e fico aguardar que possa passar algum para regalar a vida! :)

Forte Abraço e força com essas investidas!

Francisco Belo disse...

Boas Luís!!
A forma simples como fazes o relato e da maneira com que falas das técnicas para dar com eles, faz os teus relatos fantásticos...
Técnicas que parecem simples e com as quais faturas muitos bons peixes.
Desta maneira não é para todos...
Muito bom.
Forte abraço

Joao Santana disse...

Sempre a brilhar nessas pescas dos gigantes, parabéns, parece que sempre conheces-te esse mar!! é com cada piazeite que até estala,lol, força ai amigo Luís, grande abração

Joaquim Carlos Araújo disse...

Continuas a faturar :) Oa gajos por aí ainda não começaram a pensar que podiam melhorar qualquer coisa? Um abraço

Os Pescas disse...



Grande Manuel..:-)Obrigado amigo, com o passar de muitas horas no mar, vou aprendendo como os enganar..:-)
Em relação aos pesqueiros, é como tudo amigo, muitas vezes acerto, outras falho, mas faz parte da aprendizagem. Acredito que o mais importante é memorizar o máximo de factores que envolve os dias bons e maus da pesca. Só assim podemos evoluir e tentar não fazer os mesmos erros.
Vais ver que os teus Bitchos maus vão aparecer..hehehe

Aquele abraço grande amigo

Luís Malabar

Os Pescas disse...


Boas Francisco..:-)Obrigado amigo, fico feliz por gostares e espero que o verão te corra muito bem..:-)

Um grande abração amigo

Luís Malabar

Os Pescas disse...



Comé grande João..:-) Com tempo eu chego lá..hehehe
Ainda bem que gostas de ler estas aventuras amigo e apenas te desejo grandes cargas de sargalhões e com muitas emoções..:-)

Um grande abração

Luís Malabar

Os Pescas disse...



Comé Joaquim..:-) Esta malta é do tempo que apanhavam peixe a qualquer hora do dia, nunca ligaram para luas, nem marés.
O problema é que a fartura não dura para sempre, e a evolução não espera por nós..:-)

Um grande abração

Luís Malabar

Os Pescas disse...

É sempre assim, quem procura acaba por conseguir, quem se esforça tem resultados. És um predestinado para a pesca. Aproveita, que eu adoraria estar ao teu lado a dar cabo deles.
Um abraço meu amigo.
Filipe.

Alexandre disse...

Boas Luís,épa já tiveste que reforçar o carrinho,hahahahahaha grandes pescarias.
abraço

Os Pescas disse...


Meu grande amigo Filipe..:-) Obrigado e espero sinceramente um dia te ter aqui comigo :-)

Aquele abração grande

Luís Malabar

Os Pescas disse...


Comé Alexandre..:-) Ainda bem que o carrinho não é meu..hahaha..assim não tenho que fazer a manutenção dele..:-)

Um grande abração

Luís Malabar