Os nossos amigos

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

( Trolling) Quebra do enguiço da dupla!!!


Boas a todos.


A época dos robalos no rio está aí e eu estava de férias. Já tinha visto que havia um dia com uma boa aberta no vento e que nos ia deixar fazer uma investida ao trolling. Falei com o Joaquim, que é um amigo 5 estrelas e lá combinámos uma pescaria.



Iríamos sair ao nascer do sol e só regressaríamos quando esse se pusesse. Seria um dia inteiro de pesca tal como eu gosto. Sem pressas e para poder descomprimir e aproveitar todos os minutos.
Eram 7 da manhã e já estava eu na marina à espera dele. Passado um bocado lá chegou e fomos só muito rápido à bomba beber um café e buscar gasolina.
Enquanto ele tratava do barco eu ia montando as canas e artilhando com as matadoras. A ideia seria fazer trolling e de vez em quando umas passagens à deriva com vinil.
Já a caminho do spot as previsões confirmavam-se o rio parecia um espelho e o sol começa a espreitar no horizonte. Tal como o pôr do sol o nascer do sol, são momentos sempre mágicos quer para a pesca quer para revitalizar a nossa mente.


Chegámos ao spot e estava na hora de atirar as amostra para a água e dar-lhe linha. Já iamos a meio do trajecto que iríamos fazer e a sonda até à altura não tinha acusado nenhum peixe, mas nós sem grande preocupações porque no trolling as amostras estão a uns 70/80m do barco e não quer dizer que a sonda não marque peixe que não se apanhe.
O barco ia à velocidade certa e lá iamos confirmando que as amostras estavam a trabalhar até que a cana do Joaquim verga e ZZZZZZZZZZZZZZzzzzzzzzzzz... Barco parado e o Joaquim começa a trabalhar o peixe, eu já pronto com o xalavar na mão. Já perto do barco e os dois com calma lá consegui encestar o primeiro peixe. Um belo robalo a rondar os 2kg. Grande alegria dos dois, de termos quebrado o enguiço de quando pescávamos eu e ele de barco que era sempre grade.
Voltámos à pesca e desta vez a sonda acusava uns peixes prontos a qualquer momento de ver uma das canas bater.. Eu ia com a cana na mão e pimpa cana vergada e um pouco de zzzzzzzzzzz, sem grandes corridas, já perto do barco vimos ser uma bela baila e peixe encestado. O dia não podia ter começado melhor. Um peixe para cada um e já ninguém gradava.
Continuámos com as passagens e desta vez a sonda marcava uns peixes mas estes não queriam nada com as nossas amostras. Mas tínhamos de continuar a tentar. Sem antes pararmos a pesca por uns minutos e comermos uma sandoca e beber um café quentinho para aquecer.
Iamos trocando de amostras mas sem inventar muito, e a cana do Joaquim verga e mais um peixe ferrado, este mais pequeno que o primeiro, e facilmente foi fazer companhia aos outros dois.
A pesca estava a correr bem. E embora a fartura não fosse muito dava para nos animar.
Estava a chegar perto do meio dia e tínhamos combinado com o Filipe que se ele quisesse que o íamos buscar a algum lado para ele estar connosco na sua hora de almoço, lá lhe liguei e combinámos ir buscá-lo às 13h15. Ainda dava tempo para fazer umas duas passagens e depois arrancarmos para ir ter com ele pois ainda estávamos um pouco longe, mas vale sempre a pena perder tempo para estarmos com ele.





Na ultima passagem antes de irmos ter com ele mais um peixe na cana do Joaquim, como a amostra dele estava mais longe eu começo a recolher a minha e tenho um ataque na amostra!! DOBLE STRIKE!!! Tínhamos de fazer a coisa com calma para não perder nenhum peixe. As linhas podiam-se cruzar e um deles tinha de chegar primeiro ao pé do barco para o meter no xalavar e depois o outro. Como o meu estava mais perto disse ao Joaquim para ir recolhendo com calma para tratar da saúde do meu primeiro. E assim foi tudo correu bem, conseguimos por os dois robalos no barco.
Estava na hora de ir buscar o Filipe e arrancámos, ao telefone tinha-lhe dito que ainda não tínhamos apanhado nada, e ele a dizer que nós éramos uma desgraça. Quando ele entrou no barco e viu já uma rede composta por alguns peixe ficou muito feliz por nós.



Voltámos ao pesqueiro e logo na primeira passagem a sonda acusa muito peixe, mudámos logo para os vinis, e tentámos passar várias vezes mas eles não atacavam os vinis.
Trocámos novamente para as amostras de trolling e o Joaquim apanha logo outro. Mais uma passagem e desta vez na minha cana mais um robalo.
O Filipe só dizia é preciso eu vir para o barco e vocês em pouco tempo fazem dois peixes de seguida. EHEHEH. É sempre assim a dar-me na cabeça.
O tempo passava  e tínhamos de voltar a por o Filipe em terra. Quando o deixámos ainda nos fez um gigante favor de nos ir buscar mais gasolina, porque o Joaquim pensava que tinha mais no depósito do barco do que na realidade tinha. Grande gesto do Filipe que se prontificou logo ajudar-nos e safou-nos de grande.
Já só tínhamos mais 2 horas de pesca, era altura de aproveitar a viragem da vazante a ver se fazíamos mais algum peixe e depois ir embora. O Joaquim ainda ferra mais um robalo, e era hora de voltarmos para terra, com uma viagem muito calma, num dia em que o vento quase não apareceu.
Grande dia de pesca, com o bom amigo Joaquim e que ainda deu para estar com outro grande amigo o Filipe.
Só um pequeno grande pormenor, que vale o que vale, o Filipe enquanto esteve no barco, agarrou por instantes na minha cana e esteve a vinilar durante breves segundos e não apanhou nada, ou seja O FILIPE GRADOU. EHEHEHHEH





Grande abraço a todos.

Até breve.



Guilherme, Joaquim.

3 comentários:

Pedro Franco disse...

Sem duvida uma boa jornada Guilherme, parabéns pelos peixes, e pelo quebrar de enguiço.
Aquele abraço e boas fainas companheiros.

Anónimo disse...

Bela robalada... Parabéns pelo fim do enguiço. David.

Joaquim Carlos Araújo disse...

São estes dias que nos fazem voltar lá, apanhar frio, essas coisas...

Grande abraço.