Os nossos amigos

quinta-feira, 3 de março de 2016

( SURFCASTING) EM BUSCA DO SORRISO PERDIDO

Boas.



Tenho passado dias muito complicados com a gripe, virose...

Dias mal dormidos, trabalhar o dia todo, o cansaço é enorme...

Mas a vontade de ir a praia e tentar descansar era muita, e coincidia com a necessidade de alguns em ir nesse dia. Uns porque não têm ido e procuravam o seu sorriso a fazer o que tanto gostam, outros porque a vida lhes pregou rasteiras e o sorriso que tanto dão tem sido mais envergonhado entre uma saudade que será eterna.

Hoje sei o quanto foi difícil a noite e sei que só fui para estar com eles. Bem, sabem que adoro pescar e conviver, mas na realidade dificilmente me esforçava para ir se não fossem alguns deles...

Tentámos combinar entre todos ir logo cedo no Sábado a seguir ao almoço de forma a bater as praias e procurar onde se pudesse pescar...

Conseguimos juntar 5 do grupo para ir... Eu, o Emanuel, o Rocha, o Numberone e o Soares.

Saímos por volta das 3 do Seixal rumo a Sul, e chegámos antes deles. Fomos ver umas praias onde o mar ia bater mais, mas ao chegar e ver bem tudo sentimos que ia ser difícil pescar ali e resolvemos não arriscar. Tanto tempo sem ir, que embora o risco compense muita vezes, não era o que neste dia precisávamos. Queríamos acima de tudo desfrutar e pescar e não uma noite a sofrer com chumbadas sempre a arear e com horas sem pescar. Por vezes isso compensa, perde se tempo, mas ganha se em peixe.

Bem, no caminho fomos a um monte de praias, andámos por caminhos privados a subir dunas com a Pick up, lol, um Must, dá mesmo gosto, mas tivemos que voltar para trás e ainda saímos pela porta da frente com um senhor da zona a abrir o portão... Mesmo a lordes, lol...

Fomos por isso para uma praia mais resguardada, e olhem que até me surpreendeu pelas características e porque julguei que o mar ia estar chão e até mexia um pouco. Pelo caminho nas areias, muitos amigos e conhecidos, foi bom pois parecia que estava em casa.

O caminho foi um sacrilégio, custava me a respirar e a suportar o esforço... Assim que vi um buraco parei... Estava sem pica, mas estava feliz. Isto faz vos algum sentido? Bem, de certeza que para alguns sim...

Continuando...

O sofrimento físico dava lugar a uma alegria plena de sentido pelo facto de poder estar ali!!!

Costumo dizer que entre amigos estamos sempre bem, e é a verdade...

Via-os tão felizes que o meu esforço estava a valer a pena... Julgo que parte da palavra amizade deve ser isto. Dar a cara pelos amigos, estar ao lado deles, e por vezes fazer sacrifícios por eles. A parte disso foi uma tonteira ter ido, piorei muito e passei mal os últimos dias...

Bem, mas vamos a pesca...

A coisa até começou bem, logo nos primeiros minutos o Emanuel corre para a sua cana e ainda deu para filmar. Um bom troféu, tirado sem espinhas, como sempre, com categoria.  Era uma alegria ver que a noite ameaçava ser de grande qualidade...

 Minutos mais tarde, o João Rocha que já tinha tirado uns 4 peixes, entre eles um besugo devolvido e mais duas bailas e um robalito pequeno também devolvido, corre para a cana e vejo logo que já tinha qualquer coisa de jeito... Outro bom robalo. Eu a zeros, e num esforço tremendo. As costas tremiam a cada lançamento e a respiração estava no limite.

Logo de seguida tiro uma baila jeitosa e lá desgradei... Hora de chatear o Joaonumberone, mas quando ia me meter com ele eis que vejo o Rochina novamente as voltas com a cana e o João de roda dele... Pelo tempo ao longe percebi que era um troféu maior e que ele fez questão de me vir mostrar os peixes de seguida. Bebeu se um café e continuou se a dar neles... Ao longe tinha a notícia que o Soares tinha umas bailas e o João uma baila e um bom sargo...

Ao meu lado o Emanuel novamente na mesma cana saca uma baila quileira, um grande peixe. Lindíssima.

De seguida, ele vê um toque na cana e novamente outra baila, esta mais pequena. Eu tirei um robalinho e uma baila muito pequena, ambos devolvidos. Hoje que faço o paralelismo com a cerca de 15 anos atrás, há uma ligeira mudança de atitude geral, vejo muita gente a devolver peixe abaixo de medida ou mesmo com medida, o que é positivo. Felizmente parece me que nesse aspecto se evoluiu.

Bem, novamente a cana do Emanuel a dar uma pancada e mais um robalo quileiro. A noite parecia ir ser bombástica... Aqui e ali ia saindo peixe a toda a gente, uns maiores, outros mais pequenos...

A maré vazou muito, e embora se tenha mantido sempre com água, ficou complicado e a actividade baixou, mas tendo a subida da maré durante a noite, sabíamos que podiam sair mais uns quantos troféus. O Rochinha sacou mais uns peixecos, e o Numberone também... Tivemos ali um pouco todos a beber o resto do café do Emanuel, e depois arrumei para o lado... Faltavam me as forças e resolvi mesmo tentar dormir e repousar. O Emanuel quis ir embora por me ver em dificuldades, mas eu não estava digamos sem me aguentar, somente a acção de pesca não dava. Estava fraco, ofegante e com muitas dores no corpo. Mas dava para aguentar, com menos acção, com menos energia, mas dava...

Quase todos devem ter dormido pois vi uma actividade nula durante a noite... Olhava ao redor quando acordava e via tudo parado... Já deviam ser umas 4 e tal quando acordei, com o Emanuel a tirar um sargo bem jeitoso, e curiosamente vou iscar as canas e saco um também. Tenho muitas saudades dos sargalhões da Costa Alentejana. Sinceramente é do que tenho mais saudades. Já vão dois anos em que só esporadicamente damos com estes peixes grandes, era normal se apanhar em todas as jornadas exemplares acima de quilo, e agora é raro... Espero por eles...

Bem, ainda julguei que a coisa animasse, mas as iscadas iam e vinham, iam e vinham, vi O Rochinha tirar mais uma baila e o Emanuel também, e já a nascer o dia vou a uma das canas e tinha uma baila embalsamada, estava rija, tipo pedra, das horas que lá estava dentro... Não deu para mais... Nasceu o dia e arrumei a tralha... Até ao carro foi sempre a sofrer. Ao chegar ainda estivemos com outros dois amigos e cada um tirou um robalo dos bons. Mais dois bons tarolos.

Foi tão dura a noite para mim, quanto foi boa por estar onde gosto e com quem gosto...

Mas o amor ao meu desporto é maior por vezes até que a razão, e agora já melhor, sinto me feliz por ter ido. A vida sem momentos seria um vazio de ideias. E a nossa ideia, desta maltinha é simples: Sermos felizes. Só.


Até breve, certamente que nos encontraremos por aí...



A AMIZADE ACIMA DE TUDO...















MATERIAL: 

CANAS: Vega Potenza Elite, Vega Hellion ( 3 ), Daiwa Tournament Caster Hybrid ( 3 ), Daiwa Tournament Z ( 2 ), Daiwa Sky Caster Hybrid, Shimano Power Aero, Barros XK, Barros XT

CARRETOS: Shimano Bull´s Eye ( 8 ), Shimano Ultegra XSC ( 3 ), Shimano XSB ( 2 )

LINHAS: Cinnetic Sky Line, Yuki Kenta, Sufix 100% Fluorocarbono, Vega Power zone, Cinnetic Mimetic Fluorocarbono

ISCOS: Americano, Casulo, Choco




FilipePC, Emanuel, João Rocha, Joaonumberone, Soares


5 comentários:

Nelson Fernando Pina Amaral disse...

Boa pesca malta.
O Gang merece sempre boas pescarias, pela atitude, pela amizade e pelos sacrifícios.
Pelo relato a noite do Filipe foi muito dura.
Rápidas melhoras é o que desejo
Abraço a todos malta boa

Nelson Fernando Pina Amaral disse...

Malta, vocês até já têm umas swets do Gang??!!
Muito bom, grande equipa

Os Pescas disse...

Olá Nélson obrigado.

Fizemos a pouco tempo sim uma remessa,. Se quiseres podemos tentar arranjar.

Alexandre disse...

Bonita pescaria malta,meus parabéns.
Grande abraço

Os Pescas disse...

Parabéns por mais uma grande pescaria do melhor gang do mundo :-) Só mesmo o querer estar com os amigos para suportar a gripe amigo. O peixe é sempre secundário :-)

Aquele abraço grande amigo e para todo o gang

Luís Malabar