Os nossos amigos

terça-feira, 5 de abril de 2011

Ardentia - Noctiluca miliaris

ARDENTIA
Noctiluca miliaris = Noctiluca scintillans

Quem já não ouviu falar neste nome?
 Mas quantos sabem realmente do que se trata?
Quantos já o presenciaram?
 Quantos tiveram boas
pescarias?
Quantos gradaram?

O conhecimento que tenho deste fenómeno diz-me que mais vale ficar em casa, que normalmente demora uma lua a passar, e que a larga maioria dos pescadores foge deste fenómeno como " o diabo da cruz".
Tenho família na pesca, que sempre que ocorre este fenómeno simplesmente não vão ao mar... Dizem que não vale a pena.
A 1ª vez que vi este fenómeno foi o ano passado. Fui 3 dias propositadamente para o Algarve à pesca, e estive 3 dias a fingir que pescava...
Depois desse dia, onde assisti a um espectacular momento oferecido pela mãe natureza, a verdade é que ainda não me tinha voltado a acontecer, até à passada 6ª feira de noite, quando em pleno Meco, 14 pescadores, assistiram, ainda que numa fase me parece já decrescente a este fenómeno...

Porque motivo numa noite daquelas, quase perfeita não dava peixe???

 Foram horas a "stressar" até que finalmente ao se passar o pé pela areia se fez "luz", a areia brilhava com pequenos focos que pareciam pirilampos. Ver o meu amigo Luís à procura de qualquer coisa foi engraçado, pois parece-me que ele nunca vira tal fenómeno. A verdade é que percebi no momento que a pesca estava condenada e que mais valia arrumar a tralha. Fui no entanto me divertindo noite fora a " brincar" com a areia que acendia e apagava como se de pequenos animais se tratasse.Este tema ainda está pouco explorado.
O fenómeno que presenciamos era o de côr amarelada, mas a Ardentia pode se dar em diversas cores. Apreciem o espectaculo pois vale mesmo a pena, grade ou não, o espectáculo está garantido!

Aqui fica a explicação do que é a ARDENTIA



Noctiluciphyceae

Classificação científica

Reino: Protista
Filo: Myzozoa
Subfilo: Dinozoa
Infrafilo: Dinoflagellata
Classe: Noctiluciphyceae
Ordem: Noctilucales (Haeckel 1894)


Característica: Bioluminescência

Bioluminescência [(do grego "bios" (vida) e do latim "lumen" (luz)] é a produção e emissão de luz fria por um organismo vivo, como resultado de uma reacção química durante a qual a energia química é transformada em energia luminosa.
Essa reacção ocorre quando o substrato, genericamente denominado luciferina, é oxidada por uma enzima, chamada de luciferase. A molécula de luciferina, quando excitada energéticamente, liberta esse energia química sob a forma de energia luminosa.

Espécie: Noctiluca

Tamanho: 0.5 a 1.0 mm, até 3.0 mm.
Reprodução: Assexuada, formam células filhas
Dieta: Alimentam-se de fitoplâncton e zooplâncton

Hábitos, estruturas físicas e sociais: A Noctiluca é um dinoflagelado marinho, [(Dinoflagellata - do grego "dinos" – rodopiante) - (flagelos, apêndices locomotores, tipo “pêlos”, que batem no líquido circundante com um movimento geralmente helicoidal.)], um minúsculo microorganismo de forma esférica (medido em micrómetros ou milímetros), coberto de pele espessa, com uma bolsa oral, um flagelo, um dente, e um tentáculo.
Alimenta-se de microorganismos, que fazem parte do fitoplâncton e do zooplâncton, como as algas diatomáceas e ingere a comida pela utilização de um orifício bucal,. As Noctilucas estão imóveis, devido ao flagelo por si só ser incapaz de impulsionar seu corpo através da água: o movimento só é encontrado em rotação da posição vertical por meio de controle de flutuabilidade na célula.


Características Fisicas

As Noctilucas são: dinoflagelados unicelulares que podem atingir o tamanho de 1mm. A Noctiluca não faz fotossíntese. Actualmente são considerados simplesmente "protistas", (grupo diferenciado das plantas e dos animais).. A característica mais marcante da noctiluca é a sua capacidade de produzir luminescência. A Noctiluca produz pequenos flashes de luz através do estímulo produzido pela circulação da água, o que explica porque a noctiluca brilha apenas quando a água é agitada. Uma Noctiluca pode não produzir uma luz suficiente para ser percebida pelo aparelho óptico humano no entanto como vivem em grupos de compactas massas, que é responsável pelas cores rosa ou vermelho - mesmo verde ou azul - vistas no mar, especialmente em zona de rebentação. Embora não seja o único dinoflagelado bioluminescente (aproximadamente 2% dos dinoflagelados o são), a Noctiluca é, de longe, a mais conhecida. A luminosidade é provocada por uma reacção química. A enzima luciferase catalisa a reacção entre o oxigénio e uma substância chamada luciferina, libertando energia luminosa. Em condições idóneas podem reproduzir-se de forma explosiva, passando de umas poucas células de Noctiluca por litro de água de mar a milhões e milhões em cada litro de água de mar. É o que se chama de "Bloom".


Histórias de Ardentia

Normalmente o gatilho para a emissão de luz é um estímulo mecânico, como o contacto ou a agitação da água ao seu redor. Para entender por que a Noctiluca brilha, podemos compará-la a um carro com alarme. As Noctilucas são predadas por animais que se alimentam de fitoplâncton, como por exemplo, os copépodos (crustáceos de tamanho muito pequeno que fazem parte do zooplâncton). Quando um copépodo (o ladrão) avança sobre uma Noctiluca (o carro), a luz ascende (o alarme dispara), o que atrai a atenção de pequenos peixes (os policias) que se alimentam dos copépodos que estão mais visíveis no ambiente iluminado. Dessa forma, as Noctilucas são capazes de diminuir o efeito de predação existente sobre elas.
A Noctiluca é um microorganismo muito apreciado e como tal comido pelos camarões. O seu espectáculo de luz não passa despercebido ao predador dos camarões: os chocos.
O mecanismo de defesa do Noctiluca começa então a fazer sentido, o choco não consegue encontrar o camarão na escuridão total, o camarão está a salvo se se mantiver imóvel, mesmo com as pupilas dilatadas o choco não consegue ver nada, mas, se o camarão se mexer, o Noctiluca brilha e ilumina-o fazendo com que o choco já o veja.
A Noctiluca denúncia a presença do camarão, atraindo o choco com os seus raios florescentes, protegendo-se assim do camarão.
O choco, ao caçar o camarão, é aliado do Noctiluca. É o jogo do rato e do gato, e o camarão não tem qualquer hipótese: se permanecer imóvel não pode comer a Noctiluca e, se se mexer, um rasto brilhante atrai o choco. Para o camarão, caçar a Noctiluca constitui um desafio arriscado; o choco ganha uma refeição, mas o verdadeiro vencedor é a Noctiluca. Cada camarão eliminado torna a vida mais segura para o minúsculo organismo. O alarme contra ladrões da Noctiluca salva-lhe a vida.

Alguns videos sobre Ardentia



Ardentia from Os Pescas on Vimeo.

Ardentia from Os Pescas on Vimeo.

Ardentia from Os Pescas on Vimeo.
Videos retirados do Youtube

2 comentários:

Joaquim Carlos Araújo disse...

Isso, na proa e no rasto de um barco, é um espectáculo...

Joaquim Carlos Araújo disse...

Isso na proa e no rasto de um barco é um espectáculo