Os nossos amigos

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Contra factos não há argumentos!

Este relato acaba por ter um dos títulos mais fáceis dos relatos de pesca que fiz até hoje.

Começo por onde? Pelo início, imagino que seja o que pensam... Pois assim deve ser, e assim será...
Tinha esta pescaria combinada com o Luís desde sexta feira, sendo que devido à época festiva fomos adiando, sendo que a última oportunidade seria esta 2ª feira dia 25.

E assim foi, pescaria combinada para cerca das 7.30 da manhã num dos pontões da Costa...
Despertador MALVADO, toca-me ás 6 horas, fui fazendo ronha e mais ronha até que perto das 6.30 lá me decido levantar, já tinha tudo preparado de véspera, foi só levantar, vestir, comer e rumar ao pesqueiro... As dores nas costas têm me perseguido por estes dias... Mal me aguento em pé, são dores muito fortes na zona lombar, e só mesmo a vontade de pescar e de estar junto dos amigos me fez deslocar lá...

Chego lá por volta das 7 e pouco, e assim que olho para o pontão que tinha combinado, vejo que a época tinha claramente aberto tal era o aglomerado de pescadores... Ao chegar ao bico do pontão vejo que estava lá um amigo( Octávio), mas nada do Luís... Bem foi só esticar a cana e começar a dar-lhe... Enquanto fazia o estralho vi logo o Octávio a sacar dois sargos bem bonitos, fiquei logo alerta e esperançado.

Começo a pescar e rapidamente me apercebi que o peixe andava por lá, num instante tratei de exprimentar uns caranguejos que eram vaporizados em segundos... Já o octávio tirava outro, quando mudo a táctica... Anzol mais fino, pois o peixe estava a comer muito mal, e toca de lançar, desta com lapa. Foi tiro e queda... Bóia no fundo, peixe ferrado, e mesmo ao sair de água desferra, para irritação minha... Nova lapa, novamente bóia no fundo, e mais uma ferragem conseguida, desta feita trabalho com calma e quando o levanto ele vem parar-me mesmo ás mãos, fisgado só pelo beicinho, confirmando que não estavam a comer bem...
Durante uma meia hora, foram toques atrás de toques e entre desferragens lá saquei mais alguns sarguitos, um deles que me deu muita pica, pois foram cabeçadas atrás de cabeças entre a escoa que me deleitou durante alguns segundos... Mas as dores não paravam e tive que descançar um pouco...


Entretanto olho para o relógio e já eram umas 8.30 e nada do Luís, estava preocupado e decidi ligar-lhe, ao que ele me diz que já lá estava desde as 7... Mas onde perguntei eu? Ao que me apercebo que tinha existido uma ligeira confusão e ele estava no pontão do lado... Lá veio ter comigo, mas o pontão mais parecia a segurança social... E apercebi-me logo que ele não ia lá ficar muito tempo, pois sei que não gosta tal como eu de muitas confusões... Passados uns minutos, estava eu a trabalhar um sarguito, vejo o a arrumar a cana e apercebi-me que a pesca ali estava terminada... Não estava lá pelo peixe somente, mas sim para estar a pescar com um amigo e percebi que era melhor para ambos podermos estar sossegados trocar de pontão... Assim foi...

 Olho para dois pontões à nossa esquerda e vejo apenas 4 pescadores contra os mais de 20 que o nosso tinha, e disse para o Luís: " Queres exprimentar aquele?", e lá fomos... Ao chegar ao pontão vimos que ali poderíamos pescar mais à vontade e lá montámos de novo as canas... Passados alguns minutos chega o João para vir ter connosco e continuar a sua aprendizagem no mundo da pesca... Tem sido um lutador... Espectáculo. Parabéns para ele...


Vamos agora ao título disto? Então bora lá... Um dos aspectos que sempre sinto que tenho como virtude e que me tem feito evoluir é o facto de conseguir olhar para o próximo e ver como me posiciono em relação a ele... Quando vejo que me são superiores não me custa admitir... Aliás motiva-me sim olhar, interiorizar, e tentar copiar movimentos, pequenos detalhes... Sempre o fiz... E vou continuar a fazê-lo. Não imaginam o quanto por vezes estou a pescar e a minha cabeça está a olhar como se fosse um farol para tudo e todos a ver os mais pequenos detalhes, a beber informação. Informação essa que normalmente em algumas "aulas" me permite estar a um nível próximo daqueles que observo... Cada técnica de pesca, cada local, cada isco tem as suas particularidades. A ferragem com um casulo é diferente da ferragem com lapa e esta é diferente da ferragem com caranguejo...


Já deviam ser umas dez horas, entre trocas de pontão e monta e desmonta canas... Feitas as apresentações ao pessoal do pontão, bóias na água... e até ao meio dia, em cerca de hora e meia, todos os pescadores do pontão... entre um ou outro sarguito, foram vendo as ferragens do Luís, uma atrás da outra... Algumas inglórias, outras bem sucedidas... e fui observando a fabulosa técnica que o Luís apresentava na ferragem com os caranguejos... muito bom... Fantástica calma na ferragem, inteligente, e eu, bem eu fui levando um baile enorme dos sargos que me vaporizavam os caranguejos, chegava a senti-los a puxar devagarinho, como que a gozar comigo... O Luís saca entretanto 3 belos sargos que deleitaram o pessoal do pontão... Rapidamente o calor apertou, fosse pela hora que assim o obrigava pois estávamos perto do meio dia, fosse pelo aproximar do pessoal do pontão... A maré já baixava, nós tinhamos que ir almoçar, e as minhas dores nas costas faziam-me desesperar, passei muito mal a manhã toda.. Acabei por ferrar mais um mesmo ao terminar, e lá se arrumou a tralha... uma bela manhã, com umas horitas de pesca, junto do meu companheiro Luís e de outro grande companheiro de pesca, o João que desta não se safou, mas bem se esforçou... Mais um dia, mais uma aprendizagem, de certeza que no futuro estes dias vão fazer dele melhor pescador... Como pessoa tem tudo lá!

Os maiores tinham 780, 710, e 650 gramas.

Pessoal, contra factos não há argumentos! O Luís a pescar com carenguejo é bem superior a mim... Domina melhor a ferragem, mostrando uma técnica muito mais precisa e até pensando nisso mais inteligente. Como costumo escolher outros iscos para esta pesca, o caranguejo já por si um isco muito complicado de ferragem, tem sido um ponto em que tenho tentado evoluir, não só porque gosto de dominar todos os iscos, bem como sei através de pescas como o surfcasting ou embarcada, que é um isco de eleição... Um isco de luxo para os bons exemplares.

Ao meu amigo Luís, os parabéns, foste enorme entre um monte de pescadores. Mostras-te muito saber, e com a humildade que tens o caminho a seguir é sempre para a frente.



Maiores de idade e fumadores!

Deixo como considerações finais algumas ajudas para quem tem menos experiência:

1- O segredo do pescador está sempre em conhecer cada zona, cada pesqueiro ao pormenor. Não existem pescadores infalíveis. Existem bons pescadores sem dúvida, mas nenhum domina tudo e todas as zonas, iscos, e técnicas. Procurem sempre aperceber-se do meio onde pesca. Observem bem, procurem sempre retirar o máximo de informação de cada pesqueiro por onde passem. Normalmente quem lá está e tira peixe é por algum motivo.
2- Existem iscos melhores que outros, e existem iscos para cada local e para cada técnica. Na nossa zona a lapa e o caranguejo aquando da presença de sargos de bom porte, não dão qualquer hipótese. E mais do que dar hipótese, fazem a selecção do pescado e duram mais no anzol. Requerem sim muito mais técnica na ferragem. São iscos duros.

Material:

Canas: Banax Megafloat Deluxe 5 mt; Banax Gtx Kombatt 5 mt.
Carretos: Vega cd 5000; Daiwa Capricorn j 4500

Obrigado pela companhia aos dois, um abraço,

Filipe Condinho.

7 comentários:

Sergio Fernandes disse...

Olá Filipe !
sem duvida que o canranguejo é um isco de eleição.
as ferragens nunca são iguais , houve uma pesca que depois de afundar a boia quase que tinhamos de contar até 10 para ferrar o Sargo.
as melhoras para as costas.
um abraço

Os Pescas disse...

Mais uma manha bem passada!!
Levas-te uma " sova " do Luís e o resto é conversa!!!ahahah
Parabens pelo relato.
Um abraço,
Pedro ( PJPescador )

Os Pescas disse...

Olá Sérgio, é bem verdade o que dizes. O caranguejo é um isco fenomenal para os sargos, mas as ferragens são muito mais difíceis e requerem muito esforço. Um abraço.
Filipe.

Os Pescas disse...

Belo relato que não faz mais que dar a conhecer os bons momentos que passamos perto do mar. A aprendizagem é diária agora a partilha é de salutar. Aproveitar um relato e acrescentar umas dicas para os iniciados e não só, vem valorizar este texto. Gostei.
Um abraço,

Nuno (pesca no prato)

Ernesto Lima disse...

Viva Filipe!

Bela pescaria!

Os meus sinceros parabéns!

Abraço

Os Pescas disse...

Obrigado a ambos! Pescar, partilhar e passar uns bons momentos, é uma forma de estar que continuo a preferir a outra qualquer modalidade, desporto ou passatempo.
Junto de bons amigos ainda melhor. Abraço.
Filipe.

Rui Salvaterra disse...

Olá Fiipe, acredite que relatos como este são na sua medida também úteis ensinamentos e muito especialmente para os que como eu ainda se iniciam. Inumeras vezes já estive nesses mesmos pontões sem pescar e apenas observando as práticas e técnicas utilizadas e com algumas conversas, muito vou aprendendo assim. Acontece que ainda não começei a pescar à boia, porque para começo penso que a "pesca ao fundo" se torna mais acessivel, mas muito em breve espero fazê-lo até porque nesse local é tendencialmente o tipo de pesca mais eficiente . Coecidentemente ao post seguinte,tenho observado que nestes dois ultimos meses a lapa tem sido dos iscos mais utilizados nesses pequeiros.
Grato por mais esta vossa partilha. Abraço!