Os nossos amigos

terça-feira, 1 de julho de 2014

( Corvinas com Vinil ) Estreia as Corvinas no Mar de Bering

Boas!


Ainda me lembro que sempre em conversa com o Filipe, o Luis e outros amigos que a pesca me deu que dizia sempre que “nunca” iria fazer as pescas dos “plásticos” como eu lhes chamava. Brincava sempre com eles quando diziam que iam fazer uma pesca com amostras e reafirmava que a mim não me apanhavam nessas pescas...

Como alguns de vocês sabem o ano passado fui passar mais ou menos um ano à Noruega e a pesca continuava na minha cabeça claro. E foi então que tive de ceder e virar-me para a pesca com amostras. E desde que voltei de lá tenho continuado com as minhas pescas antigas mas as pescas com amostras também começaram a interessar-me. Na primeira investida neste caso foi trolling e vini, tal como viram num relato à uns tempos apenas apanhei um xarroco e o Joaquim um robalo.

Desde então que eu e o Joaquim temos feito umas investidas às corvinas mas sempre com insucesso. Claro que faz parte até porque eu sei que não basta chegar e mandar amostra para baixo e já está. O peixe tem de lá estar temos de colocar o barco no local certo entre muitos outros factores.
O Joaquim também está a começar neste tipo de pesca e ainda tem muito que explorar e descobrir para a coisa funcionar na plenitude.



Eu e o Joaquim já andávamos para ir a outro pesqueiro mas as condições não têm facilitado a nossa ida.
Foi então que chegou uma aberta e que dava para fazer duas marés boas para lá irmos. Coemçámos a combinar os detalhes perguntámos ao Filipe se queria vir e foi então que a coisa se deu.
Combinámos bem cedo para começarmos a fazer a travessia do rio para a zona da margem sul ainda de noite de maneira a chegarmos um bocado antes da viragem.

Eram 5h30 e já estávamos a chegar ao spot. O Sol ia-se levantando e nós montando as armas de guerra.
Nas primeiras passagens pouco peixe marcava. Mas mais ou menos à quinta passagem o Joaquim ferra a primeira do dia. Não era nada de especial mas já deu para levantar a moral e pensarmos que iria ser um bom dia de pesca.
Continuamos com as derivas e chega o Emanuel noutro barco com o pai e mais dois companheiros. Cumprimentos da praxe e tentámos por a conversa em dia entre algumas “bocas” sobre um tal choco envenenado, eheheh, mas o pessoal queria era pescar. Voltámos à carga mas pouco peixe andava por lá. A maré já tinha virado e a água começava a correr e nós começávamos a desmoralizar. Porque o peixe era pouco ou quase nenhum e não era só para nós. Nas onze embarcações que se encontravam por lá se bem me lembro apenas 2 ou 3 peixes tinham saido.
O Filipe numa das passagens sente um peso e começa a recolher devagar, e quando chega quase ao cimo da água diz-me para pegar no xalavar, mas já não fui a tempo. Era um choco que vinha agarrado à Black Minnow que se conseguiu safar.

Já iamos com meia maré e era agora ou nunca!!! Que tinhamos tempo de ir beber um cafézinho. EHEHEHHEH. Então lá arrancámos e bebemos um café acompanhado de um croissant de chocolate ainda morninho. Que bem que soube.
Era altura de voltar ao spot e continuarmos a tentar a nossa sorte.

Mal chegamos o Emanuel diz-nos que tinha entrado algum peixe. Já tinha tirado uma corvina jeitosa e deu-nos algum animo.
Foi então que nas primeiras passagens depois da cafezada que começámos a marcar peixe entre eles uma marca gigante. Mais uma passagem e pimba cabeçada na minha cana começo a trabalhar o peixe mas fiz um erro tinha o drag muito fechado e a gaja numa sacudidela da cabeça desferrou e foi à vida. Fiquei fulo porque o peixe já era pouco e tinha de o perder.


Mais umas derivas e novamente na minha cana. Pimba! ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ, sei que não foram muitos ZZZZZZZZZZZZZZZZZZZ, mas era a minha primeira e a sensação estava a ser muito boa! agora já com o drag bem regulado comecei a trabalhar o peixe, e mais ZZZZZZZZZZZZZ, até que lhe começamos a ver a cor, e já era uma corvina jeitosa. Com calma lá a pusemos no xalavar! YUPI! Estava capturada a primeira corvina ao vinil! A maré estava a chegar ao limite e o peixe continuava escasso. O Emanuel ainda tirou mais uma maior do que a primeira.
O Filipe por incrivel que parece ainda não tinha apanhado nem um XARROCO!!! Mas estava forte nos chocos, e é então que sente peso outra vez na amostra mas desta vez disse-me para agarrar no xalavar bem antes de ele chegar à superficie e facilmente o cápturámos. Ainda com ele no xalavar arrancámos em direcção ao barco do Emanuel, e voltámos às picardias sobre o que era um choco envenenado que numa noite de surfcasting que ele nos tinha emprestado. Foi só rir!!! Ainda deu tempo para encostarmos os barcos e metermos a conversa em dia e tirar as fotos aos peixes do Emanuel que pouco tempo depois dava por finda a sua pescaria.

A maré estava quase parada e decidimos ir comer umas bifanas acompanhadas por uma minis. Encostámos o barco na praia e lá fomos.





Que bela vida esta! Só faltava haver mais peixe, mas para mim com ou sem peixe já estava a ser um grande dia de pesca. A companhia era excelente e a diversão e boa disposição estava bem presente.
De barriga cheia e a garganta refrescada era hora de voltarmos a entrar no barco e rumarmos de novo ao pesqueiro.
A maré já tinha começado a encher à 2 horas e mais um bocado e estaria na altura de poder voltar a dar peixe.

Mal chegámos começamos novamente ao ataque, mas passado umas passagens o Joaquim encostou-se e estava na hora da sua sesta. EHEHEH
Eu e o Filipe continuávamos a insistir, até que chegou o momento do Filipe. Até já estava a estranhar, estava à tantas horas à pesca e ainda não tinha tirado um. É verdade os xarrocos adoram-no e lá tirou o seu belo exemplar. AH GRANDE XARROQUEIRO QUE ELE É!!! AHAHAHAHAHAH



Voltamos à pesca e a certa altura quer eu como o Filipe sentimos algo nas amostras, e parece que em sintonia nos viramos uma para o outro a dizer. SENTISTE! Alguem nos estava a roer os vinis. Recolhemos ambos as linhas. E amostra do Filipe vinha nestes estado. Cortada ao meio!
Ficámos logo a pensar que andava lá peixe de novo.


Contiuámos as derivas e o Joaquim lá acorda e volta a pescar connosco. Lá de vez em quando iamos sentindo aquelas vibrações nas amostras mas não conseguiamos ferrar nenhuma. Até que lhes digo, vou fazer uma mudança. Pois estávamos a pescar com vinis grandes e eu decido colocar um BM 120 de 25gr. Sabia que ia ser dificil de sentir o fundo pois a maré ainda corria bastante. Mas tinha de tentar. O Filipe lá posiciona o barco, e lá mando o vinil para baixo. Com muita atenção para sentir o fundo e à terceira animação, pimba! Lá ferrei! Não deu grandes corridas pois não era uma corvina mais uma rabeta, e deu para perceber o que nos estava a roer os vinis. Mas fiquei contente por ter mudado de táctica e ter resultado.

O Filipe dava-lhes gomas!!!


Brutal!!!

Mas depois disso não deu mais nada e resolvemos voltar para a margem norte do rio. Sabiamos que se a maré começasse a vazar e com o vento que se estava a levantar que ia ser uma travessia dificil.
Mal sabiamos nós o que iriamos enfrentar.
Quando chegamos à zona mais aberta do rio, as vagas eram grandes. Começam então os banhos, ainda tentámos por momentos contornar a situação mas a molha era inevitavel, cada vez que o barco descia e nas ondas batia era um banho total da cabeça aos pés.



O desepero ia dando em boa disposição... Acreditem que não conseguem ter noção do caminho e do sofrimento que foi para chegar a EXPO


A chegada... Com telemóveis marados, rádios do carro estragados... Só prejuízo...



Só nos riamos e sabiamos que ia ser uma viagem de pelo menos uma hora naquelas condiçoes. Estávamos os três encharcados da cabeça aos pés. Mas mesmo assim continuávamos sempre na brincadeira, porque o não havia perigo, a não ser a hipotese de uma constipação no dia seguinte.

Foi uma viagem muito dura em que o corpo é que pagou com a porrada que levámos. Chegámos à marina e não havia nada seco dentro do barco! EHEHEHEHH






E assim terminou um grande dia de pesca com dois grandes amigos.
Só tenho de lhes agradecer por mais um dia inesquecível.
Obrigado

Material:
Canas: Barros Stout Red Force; Shimano Nasci PG; Hiro Bellona
Carretos: Tubertini Luís; Shimano Twin Power FC; Shimano Twin Power SW
Amostras: Black Minnow; Savage Sandeel; Lunker City; Storm Ultra EEL



Guilherme Cruz, FilipePC e Joaquim Araújo

5 comentários:

Joaquim Carlos Araújo disse...

Grande tarde. Pelo menos a malta divertiu-se que é o que conta :)

Um abraço, amigo

Cristóvão Veríssimo disse...

Isso é que foi uma grande aventura molhada!
Valeu pelo excelente dia que passaram e alguns peixes capturados.
Parabéns a todos e obrigado pelo relato.

Abraço

Anónimo disse...

Bela pesca amigos. O Filipe anda um apanhador de charrocos. Granda maluco eheheh. Um abraço.
David.

Os Pescas disse...


Parabéns a todos os meus amigos pela pescaria e convivio, que saudades de estar com voçês..:-)
Grande relato e video, está de chorar a rir..hahaha.

Um grande abração malucos

Luís Malabar

Pedro Franco disse...

Ora ai está um bom dia de pesca, com bons companheiros só podia correr assim.
O peixe foi pouco mas isso foi um mal menor, o importante foi a animação que parece ter reinado.
Parabéns pela tua estreia nessa pesca com uma bonita corvina.
Um abraço a todos e continuação de boas fainas.