Os nossos amigos

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

SPINNING UMA AVENTURA NO SEU INÍCIO

O INICIO DA GRADARIA

Tudo começou com as conversas e relatos dos meu grandes amigos e colegas do GANG, que de quando em vez fazem uma saída para SPINAR vejam bem...eu que toda a vida pesquei ao fundo seja chumbadinha ou outras vertentes e principalmente SURFCASTING a paixão que nos move.

Sempre para mim como para muitos pescadores considerei a pesca com amostras algo estranho, foge completamente a toda aquela panóplia de acessórios e técnicas que reflectimos e pensamos em cada jornada precavida e estruturada para encontrar o peixe, com dias por vezes semanas de antecedência, que montagens usar?, que tipo de anzóis?, tamanho e espessura de linhas?, e que ISCOS VIVOS usar, ...... pesca sem sujar as mãos de isco, sem ficar a cheirar mal será pesca propriamente dita?!?!?!?!
Desta vez contrariei a instinto!!! Tenho os amigos mestres nesta arte para me ajudar, tenho um caniço de spinning há uns 2 anos que se viu água foi algum dia que lhe choveu em cima, tenho uns carretos pequenos tamanho 4000 com multifilamento, logo não custa nada experimentar, e assim nos dias em que não há tempo para toda a logística que um surf em condições exige é só meter as coisas no carro e desfrutar do mar com a amizade dos amigos.
Com estas ideias em mente pensei....porquê falar com os santos masters quando tenho o "deus" da pesca com amostra como grande amigo??? Luis Malabar quero ver se gosto de spinar tenho cana e coiso e tal como é que esta coisa dos peixes pintados funciona de dia e de noite, o que devo fazer e que cores comprar, ele como sempre sendo o grande amigo que é começa a disparar marcas, nomes, modelos, pesos formas de trabalhar amostras....bem ele é o Guru que não restem dúvidas, no fim lá fiquei com uma ideia inicial do que comprar de amostras e o que fazer. Fui à loja comprar as ditas cujas com selo de campeãs cheio de fé mas com a mente no que aquilo significava....iniciar um novo estilo de pesca que nada podia esperar para já.



Ora tenho uma bolsa para as guardar, tenho vadeador do surf, caniço de spinning 3m, carreto e tal, só falta experimentar, Guilhas e Santos...vamos lá??....e os meus peixes pintados nem tiveram tempo de se habituar à nova casa já estavam a sentir a brisa marinha nocturna, os 2 amigos explicaram onde podia usar sem ficarem nas pedras, como recolher e principalmente como o Luís Malabar tanto disse LANÇA E RECOLHE, NÃO INVENTES, PARA JÁ SENTE SÓ AS AMOSTRAS A TRABALHAR, e lá fui eu, lança recolhe e lança recolhe, até que acertei e sente-se mesmo a nadar, umas com mais tensão outras menos, umas voam mais outras menos, umas temos de recolher mais rápido para as sentir nadar outras podemos fazer mais devagar e ficamos logo a pensar que podemos fazer umas estar mais tempo na zona de ataque de peixe e outras menos....é pá isto afinal até é giro, e tem ciência!?! OK NÃO É SURFCASTING...mas tem ciência e ainda agora comecei deve haver muito mais para aprender.



Só a brisa do mar a bater na cara e a companhia deles já vale tudo, quanto mais estar a sentir uma nova forma de pescar, ...ainda que seja com peixinhos mortos pintados com cores estranhas!!!
Infelizmente a noite foi escolhida às 3 pancadas, e apesar de não haver vento havia algum limo "tabaco" na água que me fazia e aos meus colegas limpar o nó do chicote muitas vezes, mas lá andava...lança recolhe, lança recolhe....todo contente com os pés de molho a sentir o mar, e que prazer me dá, arrefecer e mente e aquece a alma!!!
Até que tive a brilhante idéia de....bem eles devem andar longe, perto nem dão sinais de vida, e lá se vai os conselhos dos amigos, vai de uma zagaia e  ZÁSSSSSS e recolhe e ZÁSSSSSSS e ......reco.....reco.....reco-nada, estava agarrado a um pedregulho, bem lá se vai a 1 coisa morta e pintada que finge estar viva....aprender sem perder material não seria a mesma coisa.....o Guilherme e o Santos lá me deram na cabeça mas eu tinha de tentar e sentir a cana lançar uma coisa que mais parecesse uma chumbada, que vício, erro meu eles são mestres mas há coisas que temos de ser nós a aprender, e daqui vem 2 lição,....chicote novo 0,45 fluorcarbono, Rapala na ponta e Zássssss.....recolher e Záááááááá.....lá vai a Rapala a brilhar pelo ar com o reflexo da lua como se de um meteorito se tratasse......pois.....os nós aqui não se pode facilitar....se são 6 voltas no multi para cima e 6 para baixo apertar bem......tem mesmo de ser e testar bem o nó....a Rapala nem fez 12h na minha mala de amostras e já estava devolvida ao mar....ups.....aqui não se devolve o bicho está morto só está pintado a fingir de vivo hahaha
Com isto, uma pesca de experiência que era para ser umas 2 ou 3h durou 5h é giro irá ficar muito mais tenho a certeza! Principalmente no dia que sentir um tarolo a puxar do outro lado a adrenalina de o fazer com água pela cintura com uma cana destas deve ser do outro mundo, mas este não foi o dia, valeram 3 grades uma para cada um, não era o melhor mar para spinning dizem eles e eu confio naturalmente.

Ficam desta forma várias coisas em mente, vou voltar lá e ganhar mais experiência, vou fazer umas pescas com o grande Luís Malabar quando ele cá vier, vou continuar a aprender com todos os meus amigos esta nova pesca que me início, e vou comprar uma Rapala nova visto que a outra deve estar a fazer de brinco na Estátua da Liberdade.

João Rocha

Gang // Os Pescas

2 comentários:

JCO disse...

O que e passa com o V. Blog, que desde Novembro, não postaram nada?
Cumprimentos,
José Carlos Oliveira

Segredos de Pesca disse...

Olá amigo gostei muito de ler o teu relato.
O spinning é realmente uma pesca diferente.
Uma pesca limpa e muito pratica, é verdade que na maioria das vezes não se sente tanto peixe como no surfcasting ou na bóia, mas quando se dá com o peixe é espectacular.
Alem de que normalmente quando se apanha peixe, já são uns peixinhos de tamanho jeitoso.

Se me permites vou deixar aqui um linque de um video com umas dicas de como escolher amostras
acho que pode ajudar http://segredosdepesca.com/pesca-com-amostras/

Abraço MM